EM BUSCA DE PRESSUPOSTOS TEÓRICOS: A EMERGÊNCIA DE ASPECTOS DE UM NOVO PARADIGMA DE ABORDAGEM PARA A QUESTÃO AMBIENTAL

Autores

  • Arthur Albuquerque Batista de Oliveira PRODEMA-UFPE/ DAAD

Resumo

Nas últimas duas décadas observa-se profundas transformações no conteúdo ambiental, socioeconômico e cultural nas sociedades e nas urbanas em especial. Surgindo, assim, vetores que denunciam novas dinâmicas de reestruturação socioambiental do território e a ascensão, mais do que nunca, da natureza enquanto raridade. O estudo aborda a análise dos processos constitutivos das variadas práticas sociais que, originadas da relação do social com o natural, moldam o conjunto de práticas téorico-metodológicas na análise das questões socioambientais. Ao identificar aspectos de pressupostos e/ou princípios em ascensão na pesquisa científica, busca-se fortalecer os ambientes de diálogo institucional e fertilizar debates sobre o olhar ambiental, em especial atenção nos espaços urbanos, onde a densidade de usos e formas de ocupação é mais gritante e os conflitos mais visíveis. Desta feita, busca-se estabelecer nexos entre a abordagem de pressupostos como a subjetividade, a instabilidade e a complexidade, nas diversas escalas espaciais de análise. Dentre as quais destaca-se o territorial e o ambiental.  

Referências

ANDRADE, Manoel Correia de. Geografia Ciência da Sociedade. Recife: Editora Universitária – UFPE, 2006.

CAPRA, Fritjot. O Ponto de Mutação. São Paulo: Ed. Cultrix, 1997.

CLAVAL, Paul. Espaço e Poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

CAMARGO, Luis Henrique Ramos. A Ruptura do Meio Ambiente. Conhecendo as mudanças ambientais do planeta através de uma nova percepção da ciência: a geografia da complexidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

GOMES, Edvânia Tôrres Aguiar. Dilemas nas (Re) estruturações das Metrópoles. In: Revista Terra Livre. São Paulo: AGB, 2002, p. 133-142.

HARVEY, David. A Produção Capitalista do Espaço. São Paulo: Annablume, 2005. (Coleção Geografia e Adjacências).

KUHN, Tomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 1997.

LEFEBVRE, Henry. Marxismo. Tradução de Willian Lagos, Porto Alegre: RS L&PM, 2009. (Coleção L&PM POCKET) Título original: Le marxisme.

LEFF, Enrique (Coord.). A Complexidade Ambiental. Tradução Eliete Wölf. São Paulo: Cortez, 2003.

_____________. A Racionalidade Ambiental: a reapropriacão social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

_____________. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, José de Souza. Henry Lefebvre e o Retorno a Dialética. São Paulo: HUCITEC, 1996.

MATURAMA, Humberto. A Ontologia da Realidade. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1997.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Publicações Europa-America, 1977.

______________. O Método 1. A Natureza da Natureza. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

OLIVEIRA, Arthur Albuquerque B. de. Subsídios para a Gestão de Bacias Hidrográficas a Partir do Uso e Ocupação do Solo na Microbacia Hidrográfica do Rio Camaragibe – PE – Pernambuco. 2009 (Dissertação). DCG/UFPE, Brasil; DAAD, Governo Alemão, 2009.

PASSEMORE, Jonh. Atitudes frente à natureza. In: PETERS, R.S., (Ed.), Nature and Conduct, Royal Institute of Philosophy Lectures, London, 1995. Vol. VIII, 1973-74, MCMILLAN, 197.5, p. 2.51-264. Tradução Christine Rufino-Dabat, revisão Edvânia Tôrres Aguiar Gomes. Recife: Editora da UFPE, 1995. (com autorização do Royal Institute of Philsophy Lectures, 1995).

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. A Nova Aliança. A metamorfose da ciência. Brasília: Editora da UNB, 1984.

SACK. Robert David. Human Territorialiy – Its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

RIBEIRO, Miguel Ângelo. Território e Prostituição na Metrópole Carioca. São João de Meriti, Rio de Janeiro: Ed. Ecomuseu Fluminence, 2002.

RONCAYOLO, M. Territorio. In: Enciclopédia Einaud, v.8, Região. Cidade do Porto: Imprensa Nacional, 1986.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

_____________. Metrópole Corporativa Fragmentada: o caso de São Paulo. São Paulo: Nobel; Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

_____________; SOUZA, Maria Adélia A.; SILVEIRA, Maria Laura (Org.). Território Globalização e Fragmentação. São Paulo: HUCITEC–ANPUR, 1998.

_____________. Por uma Outra Globalização. São Paulo: Hucitec, 1985.

_____________. Técnica, Espaço, Tempo. São Paulo: Hucitec, 1994.

SOUZA, Marcelo José Lopes de. O Desafio Metropolitano: um estudo sobre a problemática sócio-espacial nas metrópoles brasileiras. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

______________________________. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In. CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo César da C.; CORRÊIA, Roberto Lobato. Geografia: Conceitos e Temas. SP: Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

STEINBERGER, Marília; AMADO, Theodelina Moreira. O espaço urbano no zoneamento ecológico-econômico: esboço metodológico. In: STEINBERGER, Marília (Org.). Território, Ambiente e Políticas Espaciais. Brasília: Paralelo 15 e LGE Editora, 2006.

VASCONCELOS, Maria José Esteves de. Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, São Paulo: Papirus, 2002.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

Oliveira, A. A. B. de. (2021). EM BUSCA DE PRESSUPOSTOS TEÓRICOS: A EMERGÊNCIA DE ASPECTOS DE UM NOVO PARADIGMA DE ABORDAGEM PARA A QUESTÃO AMBIENTAL. ARCHITECTON - Revista De Arquitetura E Urbanismo, 5(8). Recuperado de https://cihjurv3.faculdadedamas.edu.br/index.php/arquitetura/article/view/1484