OS SHOPPINGS NO RECIFE: CENTROS DE COMPRAS A AGENTES DA REESTRUTURAÇÃO URBANA

Autores

  • Ana Maria Filgueira Ramalho Faculdade Damas da Instrução Cristã
  • Clarissa Fernanda de Queiroz Siqueira Faculdade Damas da Instrução Cristã

Resumo

O presente artigo busca avaliar alguns dos impactos dos shoppings centers nas cidades brasileiras, usando como objeto empírico a cidade do Recife. Os shoppings vêm se consolidando como empreendimentos de compras, de consumo e de entretenimento, mas também, como motores da reestruturação urbana, utilizados pelo capital privado em parceria com o poder público nas estratégias de planejamento urbano, a qual promove transformações na paisagem urbana, através da recriação dos territórios, com a argumentação de trazer benefícios para a população local. No Brasil, há indícios também de que a implantação dos shoppings comprometem a vida no espaço urbano e negam a função pública da rua, substituindo-a pelos espaços privativos contidos nesses empreendimentos, justificados pelo conforto, segurança e modernidade, ao mesmo tempo em que se intensifica a segregação socioespacial já existente nos centros urbanos à medida que definem as classes sociais a se beneficiarem desses empreendimentos.

Referências

ABRASCE, Associação Brasileira de Shoppings Centes. Disponível em: http://www.economiaemdia.com.br/EconomiaEmDia/pdf/infset_shoppings_centers.pdf Acessado em 15 de março de 2021.

CALDEIRA, Tereza Pires do Rio. Cidades de muros. Crime, segregação e cidadania. São Paulo: Editora Edusp, 2000.

COMPANS, R. Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática. São Paulo: Unesp, 2005.

EVOLUTION SHOPPING PARK (2010) Lançamento Evolution Shopping Park. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WnZkq_Rc-uk Acessado em 20 de março de 2016.

ENTREVISTADO A. Entrevista concedida as autoras em 10 de março de 2021.

ENTREVISTADO B. Entrevista concedida as autoras em 10 de março de 2021.

FERNANDES N.N, ANDRADE, C.A. Origens dos shoppings centers no Brasil: a primeira onda de shoppings nos anos 1960 e 1970, Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos – crises, práxis e autonomia: espaços de resistência e de esperanças, Universidade Porto Alegre: Federal Fluminense, 2010.

GARREFA, F. Shoppings Centers: De centro de abastecimento a produto de consumo, São Paulo: SENAC, 2011.

GEHL, Jan. Cidade para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2001.

JOANILHO, A. L. Rolês e urbanidade: A vitória do shopping center e o fracasso do espaço público. Revista Vitruvius, Disponível em: https://vitruvius.com.br/revistas. Acessado em 12 de novembro de 2016.

LEITÃO, Lúcia. Quando o ambiente é hostil. Recife:Editora Universitária da UFPE, 2009.

MONTANER E MUXÍ. Arquitetura e Política. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

NEPOMUCENO, M. M. O Shopping e a cidade – Processos de identificação, Revista Parágrafo, 2014, p. 99-115.

PADILHA, V. Shopping Center: a catedral das mercadorias. São Paulo: Boi Tempo, 2006.

PINTAUDI, S. e FRÚGOLI, H. Shoppings Centers - espaço, cultura e modernidade nas cidades brasileiras. São Paulo:UNESP,1992.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos Lugares: A colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

SHOPPING RECIFE (2010) Shopping Recife 1981. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5rkaLAqr_rU Acessado em 20 de abril de 2016.

SHOPPING RIOMAR (2013) Crescimento Econômico. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jKzetsfuwtU Acessado em 20 de março de 2016.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

Ramalho, A. M. F., & Siqueira, C. F. de Q. (2021). OS SHOPPINGS NO RECIFE: CENTROS DE COMPRAS A AGENTES DA REESTRUTURAÇÃO URBANA. ARCHITECTON - Revista De Arquitetura E Urbanismo, 5(8). Recuperado de https://cihjurv3.faculdadedamas.edu.br/index.php/arquitetura/article/view/1483